UCEM - UCDM - ACIM

Lição 135

In UCEM on 15/05/2011 at 13:49

Se eu me defendo, sou atacado.

Quem se defenderia, a menos que pensasse que foi atacado, que o ataque foi real e que a sua própria defesa poderia salvá-lo? E nisso está a loucura da defesa: dá plena realidade às ilusões e depois tenta lidar com elas como se fossem reais. Acrescenta ilusões às ilusões, assim fazendo com que a correção seja duplamente difícil. É isso que fazes quando tentas planejar o futuro, ativar o passado ou organizar o presente como desejas.

Tu operas a partir da crença em que tens que te proteger do que está acontecendo, porque algo ali não pode deixar de conter o que te ameaça. Um senso de ameaça é um reconhecimento de uma fraqueza inerente, uma crença segundo a qual há um perigo que tem o poder de convocar-te para fazer uma defesa apropriada. O mundo está baseado nessa crença insana. E todas as suas estruturas, os seus pensamentos e dúvidas, as suas penalidades e armamentos pesados, as suas definições legais e os seus códigos, a sua ética, os seus líderes e os seus deuses, tudo serve apenas para preservar o senso de ameaça do mundo. Pois ninguém caminha pelo mundo em uma armadura sem que o terror esteja golpeando-lhe o coração.

A defesa é assustadora. Brota do medo, o qual aumenta a cada vez que uma defesa é feita. Pensas que ela oferece segurança. No entanto, ela fala do medo que se faz real e do terror justificado. Não é estranho que ao elaborares os teus planos, fortaleceres a tua armadura e apertares as tuas fechaduras, não pares para perguntar a ti mesmo o que estás defendendo, e como, e contra o quê?

Primeiro, vamos considerar o que defendes. Não pode deixar de ser algo muito fraco, fácil de ser assaltado. Não pode deixar de ser uma presa fácil, incapaz de se proteger e que precisa da tua defesa. O que mais, senão o corpo, tem tal fragilidade que necessita de cuidados constantes e atentos, de uma preocupação profunda para proteger a sua pequena vida? O que mais, senão o corpo, vacila e não pode deixar de falhar em servir ao Filho de Deus como um digno anfitrião?

No entanto, não é o corpo que pode ter medo, nem ser um objeto do medo. Ele não tem necessidades, senão aquelas que tu lhe atribuis. Não precisa de estruturas complicadas para a sua defesa, de medicamentos para torná-lo saudável, de absolutamente nenhum cuidado e nenhuma preocupação. Defende a sua vida, oferece-lhe dádivas para fazer com que fique bonito, ou muros para colocá-lo a salvo, e estarás dizendo que o teu lar está aberto ao assalto do tempo, que é corruptível, que está desmoronando, que é inseguro ao ponto de precisar ser guardado com a tua própria vida.

Esse retrato não é amedrontador? Podes estar em paz com tal conceito acerca do teu lar? E, no entanto, quem dotou o corpo com o direito de servir-te dessa forma senão a tua própria crença? Foi a tua mente que deu ao teu corpo todas as funções que vês nele e que estabeleceu o seu valor bem além de um pequeno monte de pó e água. Quem defenderia algo que reconhecesse ser assim?

O corpo não precisa de nenhuma defesa. Nunca é demais enfatizar isso. Ele será forte e saudável se a mente não abusar dele, conferindo-lhe papéis que ele não pode cumprir, propósitos além do seu alcance e objetivos exaltados que não pode realizar. Tais tentativas, ridículas mas profundamente apreciadas, são as fontes de muitos dos teus ataques loucos contra ele. Pois ele parece desapontar as tuas esperanças, as tuas necessidades, teus valores e teus sonhos.

O “ser” que precisa de proteção não é real. O corpo, que não tem valor e dificilmente merece a menor defesa, precisa apenas ser percebido como algo bem à parte de ti e aí vem a ser um instrumento saudável e útil, através do qual a mente pode operar até que a sua utilidade chegue ao fim. Quem desejaria conservá-lo quando a sua utilidade tiver terminado?

Defende o corpo e terás atacado a tua mente. Pois terás visto nela os defeitos, as fraquezas, as limitações e as falhas das quais pensas que o corpo tem que ser salvo. Não verás a mente como algo separado das condições do corpo. E imporás a ele toda a dor que vem da concepção da mente como limitada e frágil, à parte das outras mentes e separada de sua Fonte.

Esses são os pensamentos que precisam de cura e o corpo responderá com saúde quando tiverem sido corrigidos e substituídos pela verdade. Essa é a única defesa real do corpo. Mas, é aqui que procuras a sua defesa? Tu lhe ofereces um tipo de proteção do qual ele não ganha nenhum benefício, apenas acrescenta à aflição da tua mente. Não curas, apenas eliminas a esperança da cura, pois falhas em ver aonde a esperança tem que estar para ser significativa.

A mente curada não faz planos. Executa os planos que recebe ouvindo a Sabedoria que não lhe é própria. Espera até que lhe seja ensinado o que deve ser feito e, então, começa a fazê-lo. Não depende de si mesma para coisa alguma, a não ser para a sua adequação em cumprir os planos que foram designados para ela. É segura na certeza de que obstáculos não podem impedir o seu progresso em realizar qualquer uma das metas que servem ao plano maior estabelecido para o bem de todos.

A mente curada está livre da crença de que tem que fazer planos, mesmo sem poder saber qual o melhor resultado, quais os meios para consegui-los, ou como reconhecer o problema que o plano pretende solucionar. Ela tem que fazer um uso equivocado do corpo nos seus planos até que reconheça que isso é assim. Mas, quando aceita isso como verdadeiro, então está curada e libera o corpo.

A escravidão do corpo aos planos que a mente não-curada estabelece para salvar-se tem que fazer o corpo adoecer. Ele não está livre para ser o meio de ajudar em um plano que excede em muito a sua própria proteção e que precisa dos seus serviços por pouco tempo. Nesta capacidade, a saúde é assegurada. Pois tudo o que a mente emprega para isso funcionará perfeitamente, com a força que lhe foi dada e não pode falhar.

Talvez não seja fácil perceber que planos iniciados por nós mesmos não passam de defesas e todos foram feitos para realizar esse propósito. São o meio pelo qual a mente assustada quer empreender a sua própria proteção, ao custo da verdade. Isso não é difícil de reconhecer em algumas das formas que toma o auto-engano, em que a negação da realidade é óbvia. No entanto, fazer planos não é freqüentemente reconhecido como uma defesa.

A mente engajada em fazer planos para si mesma está ocupada em estabelecer um controle sobre acontecimentos futuros. Ela não pensa que as suas necessidades serão providas, a menos que faça as faça suas próprias provisões. O tempo vem a ser uma ênfase no futuro, a ser controlado pelo aprendizado e pela experiência obtida em eventos passados e em crenças anteriores. Ela não vê o presente, pois repousa sobre a idéia de que o passado ensinou o suficiente para deixá-la dirigir o seu curso futuro.

A mente que planeja está, assim, recusando-se a permitir a mudança. Aquilo que aprendeu antes vem a ser a base para as suas metas futuras. A sua experiência passada dirige a sua escolha do que irá acontecer. E não vê que é aqui e agora que está tudo o que precisa para garantir um futuro que não é como o passado, sem a continuidade de qualquer uma das velhas idéias e crenças doentias. A antecipação não desempenha nenhum papel, pois a confiança presente dirige o caminho.

Defesa são os planos que empreendes contra a verdade. O seu objetivo é o de selecionar o que aprovas e de ignorar o que consideras incompatível com as tuas crenças a respeito da tua realidade. Mas, o que fica é, de fato, sem significado. Pois a tua realidade é a “ameaça” que as tuas defesas querem atacar, obscurecer, fragmentar e crucificar.

O que deixarias de aceitar se apenas soubesses que tudo o que acontece, todos os eventos, passados, presentes e por vir, são gentilmente planejados por Aquele Cujo único propósito é o teu bem? Talvez tenhas entendido o Seu plano de forma equivocada, pois Ele nunca te ofereceria dor. Mas as tuas defesas não te deixaram ver a Sua bênção amorosa brilhando em cada passo que jamais deste. Enquanto fazias planos para a morte, Ele te conduzia gentilmente para a vida eterna.

A tua atual confiança Nele é a defesa que promete um futuro imperturbado, sem nenhum traço de pesar e com uma alegria que cresce constantemente, enquanto essa vida vem a ser um instante santo, estabelecido no tempo, mas ocupado apenas com a imortalidade. Não deixes que outras defesas senão a tua atual confiança dirija o futuro, e essa vida vem a ser um encontro significativo com a verdade que só as tuas defesas poderiam querer ocultar.

Sem defesas, tu vens a ser uma luz que o Céu, com gratidão, reconhece como a sua própria luz. Ela te conduzirá pelos caminhos designados para a tua felicidade de acordo com o antigo plano, que começou com o início dos tempos. Os teus seguidores unirão as suas luzes à tua e ela aumentará até que o mundo seja iluminado com alegria. E os nossos irmãos, com contentamento, deixarão de lado as suas incômodas defesas, que em nada lhes foram úteis e só podiam aterrorizar.

Vamos antecipar esse momento hoje, com confiança presente, pois isso faz parte do que foi planejado para nós. Estaremos certos de que tudo o que precisamos nos é dado para a nossa realização no dia de hoje. Não vamos planejar como será feito, mas reconhecemos que o fato de nos despojarmos de todas as nossas defesas é tudo o que é preciso para que a verdade desponte com certeza sobre as nossas mentes.

Durante quinze minutos, duas vezes hoje, vamos descansar de planejamentos sem sentido e de todo pensamento que impede a verdade de penetrar nas nossas mentes. Hoje vamos receber ao invés de planejar, para que possamos dar ao invés de organizar. E algo nos é dado verdadeiramente ao dizermos:

Se eu me defendo, sou atacado. Mas despojando-me de todas as defesas serei forte, e aprenderei o que as minhas defesas escondem.

Nada mais do que isso. Se houver planos a serem feitos, eles te serão comunicados. Talvez não sejam os planos que pensavas serem necessários, ou as respostas para os problemas que pensavas estar enfrentando. Mas são as respostas para um outro tipo de pergunta, que permanece sem resposta e precisa ser respondida até que a Resposta enfim venha a ti.

Todas as tuas defesas têm tido como objetivo não receber o que receberás hoje. E na luz e na alegria da simples confiança, não poderás deixar de perguntar a ti mesmo por que razão jamais chegaste a pensar que precisavas ser defendido da liberação. O Céu nada pede. É o inferno que faz exigências extravagantes de sacrifício. Tu não estás desistindo de nada nestes momentos de hoje quando te apresentas indefeso ao teu Criador, tal como realmente és.

Ele lembrou-Se de ti. Hoje nos lembraremos Dele. Pois esse é o momento da Páscoa na tua salvação. E tu te erguerás novamente do que parecia ser morte e desesperança. Agora a luz da esperança renasce em ti, pois agora vens sem defesas para aprender o papel que te compete no plano de Deus. Que pequenos planos ou crenças mágicas ainda podem ter valor, quando recebeste a tua função da Voz do próprio Deus?

Tenta não moldar esse dia como acreditas ser mais benéfico para ti. Pois não podes conceber toda a felicidade que vem a ti sem o teu planejamento. Aprende hoje. E o mundo inteiro dará esse passo gigantesco e celebrará a tua Páscoa contigo. Ao longo do dia à medida que pequenas coisas tolas surgirem para erguer a tua defensividade e para te tentar a te engajares em tecer planos, lembra-te que esse é um dia especial para o aprendizado e reconhece isso com o seguinte:

Essa é a minha páscoa. Quero mantê-la santa. Não me defenderei porque o filho de Deus não precisa de nenhuma defesa contra a verdade da sua realidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: